O dinheiro compra a felicidade? (por Gabriel Carneiro Costa)

fevereiro 27, 2015

Sempre gostei e gosto de dinheiro. Porém, acredito que ele compra prazer, que é diferente de felicidade. O que nos confunde é que, quanto maior a frequência de compras para ter prazer, mais parecido esse prazer fica com a felicidade.

O problema é que muitas pessoas passam a vida apenas correndo atrás do dinheiro e se esquecem de que ele sozinho traz apenas momentos de felicidade, uma experiência finita, que não garante o sentido da vida.

O prazer às vezes é muito complexo, mas a felicidade é sempre simples. É a capacidade de curtir cada etapa que dá sentido maior à vida. E hoje, infelizmente, somos de uma geração que se sente refém de um falso modelo ideal para alcançar o sucesso. O sucesso não é alcançar aquilo que seu vizinho julga ser sucesso, e sim o que lhe produz a sensação de satisfação pessoal.

Se você almeja ter muito dinheiro na vida, não deixe de desejar. Não precisa mudar o destino, muitas vezes é suficiente mudar o caminho e então fazer dessa jornada algo com real sentido.

O encantador de pessoas_Gabriel Carneiro Costa_Integrare_Edit

Fonte: livro “O encantador de pessoas: como trabalhar sua vida em busca da felicidade e realização pessoal”, de Gabriel Carneiro Costa. Integrare Editora

Para mais informações sobre o tema, Consulte o livro ou entre contato conosco.

Saiba mais sobre o livro!

Anúncios

A busca da simplicidade. (por Arthur Bender)

fevereiro 25, 2015

Cada vez mais a simplicidade terá um peso mais importante na vida de todos nós. A simplicidade será cada vez mais valiosa nas nossas vidas sabendo que elas serão cada vez mais conectadas, certamente mais disponíveis e, ao que tudo indica, mais estressadas. Nesse contexto, que por alguns anos acredito que ainda irá piorar, a simplicidade funcionará como uma espécie de Santo Graal para as nossas curas e para manter a sanidade das nossas famílias.

Acredito que boa parte das pessoas levará cada vez mais em conta o fator simplicidade em suas escolhas. E nessas escolhas se perguntarão o tempo todo: isso vale a pena? Por que eu continuaria a fazer isso? Ou, por outro lado, perguntarão a si mesmas: por que eu faria isso?

Tudo o que acrescentar mais complexidade à nossa vida tende a ser refutado, porque já estamos saturados de tanta complexidade.

Paixão e Significado da Marca_Arthur Bender_Integrare_Edit

Fonte: livro “Paixão e Significado da Marca”, de Arthur Bender – Integrare Editora

Saiba mais sobre o livro!


Escolhas! (por Sidnei Oliveira)

fevereiro 18, 2015

Tudo começa com as escolhas. Vivemos momentos fantásticos e também momentos terríveis. Independente da forma como as coisas ocorrem, sempre seremos responsáveis pelas consequências, pois ao tomar nossas decisões influenciamos tudo o que nos acontece. Somos aquilo que escolhemos ser!

É evidente que há pedras no caminho, desafios que não conhecemos, momentos de pouca energia, enfim, não é fácil fazer escolhas… Contudo, uma coisa é bastante interessante – não importa o quanto erremos em nossas escolhas, sempre podemos recomeçar, pois na verdade nossa vida é feita de ciclos e sempre que um acaba outro tem início.

Nossa vida é dominada por nossas escolhas, mesmo quando inocentemente acreditamos que não escolher nos isenta das consequências. Bobagem! Não escolher também é uma escolha, mas com resultados muitas vezes inesperados. Por isso você deve fazer escolhas e estabelecer metas que levem a um efetivo envolvimento com elas.

INSTA_18_02_2014_Geração Y_Sidnei Oliveira_Integrare_Edit

Fonte: livro “Geração Y: ser potencial ou ser talento? faça por merecer”, de Sidnei Oliveira – Integrare Editora

Saiba mais sobre o livro!


Valorize o que você faz, não importa o que você faça (Por Max Gehringer)

fevereiro 11, 2015

No começo da carreira, é comum a gente reclamar que poderia estar fazendo algo mais desafiador do que aquilo que estamos fazendo. Por um lado, isso mostra ambição. Mas, por outro, desprestigiar o próprio trabalho não vai ajudar a conseguir outro mais importante.

Então, vou contar uma historinha rápida. Um dia, tive a oportunidade de participar de um congresso brasileiro que reuniu técnicos de laboratório clínico. Um pessoal especializado em análises. E, lá pelas tantas, eu me vi fazendo parte de um grupo no qual havia vários técnicos especialistas em exames de fezes. Com certeza, esse não era o assunto mais apropriado para uma conversa após o jantar, mas o assunto acabou girando em torno daquela atividade que, no mínimo, não cheira bem. E eu percebi que existiam três opiniões bem diferentes entre os especialistas ali presentes. Um deles foi claro e direto, e disse que seu trabalho era todo dia aquela mesma “eme”. Outro foi mais científico e disse que sua tarefa consistia em análises parasitológicas em equipamentos de última geração tecnológica. Mas foi o terceiro que mais me chamou a atenção. Ele disse que sua função era muito nobre porque dela dependiam a prevenção e o tratamento de doenças em seres humanos.

“Incrível”, pensei comigo, enquanto traçava meu pudim. A mesma atividade, e três visões diferentes. Exatamente a mesma coisa que acontece com qualquer função em qualquer empresa. Tem gente que prefere enxergar só o lado negativo daquilo que faz. Outros gostam de florear. E tem gente que vê o trabalho que faz como parte de um objetivo muito maior e mais importante. A experiência mostra que as pessoas do primeiro tipo, os que só reclamam, vão ficar fazendo o mesmo trabalho a vida inteira. As pessoas do tipo dois, as mais científicas, viram chefe dos que só reclamam. Mas são os que enxergam mais à frente que se tornam chefe das outras duas.

INSTA_11_01_Aprenda a ser chefe_Max Gehringer_Integrare_Edit

Fonte: livro “Aprenda a ser chefe: um manual de dicas e sugestões para chefes presentes e futuros”, de Max Gehringer – Integrare Editora

Saiba mais sobre o livro!


Dicas para saber cumprir aquilo com o que nos comprometemos! (por Leila Navarro e José María Gasalla )

fevereiro 4, 2015

► Jamais prometa para agradar ou iludir.

► Não prometa o que sabe que não poderá cumprir.

► Calcule os riscos.

► Nunca use a promessa como propaganda.

► Não abandone promessas. Pague as dívidas assumidas por você ontem.

► Assuma seus erros. Faça correções imediatas.

► Envolva‑se nos assuntos do grupo e assuma a responsabilidade também pelas decisões coletivas.

► Planeje suas ações com base numa relação de ganha‑ganha.

► Socorra o outro se sua decisão o prejudicou.

► Assuma os erros da equipe como seus. Jamais atire culpa nas costas dos colegas.

► Renuncie ao benefício pessoal se puder favorecer o coletivo.

► Ofereça‑se para participar de novos projetos. Mas, se assumir tarefas, cumpra‑as a risca.

► Saiba que voluntários não são menos responsáveis que aqueles designados para uma função. Também é preciso cumprir.

► O significado do voluntariado é “ir além do dever”, como diz Vicente Ferrer.

► Estabeleça seus limites e faça com que os outros os conheçam.

INSTA_04_02_Confiança_Leila Navarro_Integrare_Edit

Fonte: livro “Confiança, o diferencial do líder : a formidável e intrigante história de um desafio de gestão”, de Leila Navarro e José María Gasalla – Integrare Editora

Saiba mais sobre o livro!


Construa alianças (por Waleska Farias)

janeiro 28, 2015

No contexto da construção de aliança as responsabilidades devem ser compartilhadas. Quando me comprometo com a indicação de alguém para compor o quadro funcional da empresa do meu cliente me torno corresponsável.

Nos trabalhos em parceria, em que construímos um vínculo de confiança, méritos e riscos devem ser compartilhados. Unir-se ao outro faz parte do processo, afinal, trata-se de uma aliança.

As pessoas, dada a enorme dificuldade de aceitar pontos de vista divergentes dos seus, tornam-se reféns da grande resistência de trabalhar em conjunto, pois não sabem como estreitar ligações e conservá-las.

O líder integral_Waleska Farias_Integrare_Edit

Fonte: livro “O líder integral : porque o bom ser humano precede o bom líder”, de Waleska Farias – Integrare Editora

Saiba mais sobre o livro!


Presente da mamãe (por Içami Tiba)

dezembro 24, 2014

Dezembro é tempo de balanço e encerramento por mais um ano de trabalho, de estudo, de vida. Não há como se furtar dele. Não estando mais na idade de ganhar presentes dos pais, fiz um levantamento dos que recebi nesta minha vida tão bem vivida. Lembrei-me com muito carinho de um verdadeiro presente da minha mãe, que ganhei quando lhe fiz uma pergunta antes mesmo de começar a frequentar a escola.

Não me lembro de ter ganhado muitos presentes na minha infância, nem na adolescência. Não sentia falta deles, pois não era costume dos meus pais darem presentes aos filhos. Fazendo uma retrospectiva da minha vida, levantando os memoráveis presentes que ganhei até hoje, há um que quero passar a você por estar bem atualizado, mesmo que já o tenha passado para muitos pais, e não perco as oportunidades de usá-lo para ajudá-los e educar seus filhos. Comecei a usá-lo assim que o recebi da minha mãe.

Hoje é muito comum os pais fazerem pelos filhos o que estes são capazes de fazer. Esta é uma das formas de se criar um filho folgado. Embaixo de um folgado tem sempre um sufocado. A mãe pede ao filho que faça algo. Como nunca fez, ele não faz tão bem quanto a mãe faria. Num instante ela afasta o filho com um “Deixa que eu faço, você não sabe fazer nada mesmo!” e dá uma justifica para o filho não fazer mais praticamente nada. Quem justifica não faz. A mãe torna-se cada vez mais sufocada e o filho, folgado.

Com 7 anos de idade, vi um médico pela primeira vez. Algum tempo depois eu falei para minha mãe: “Quero ser médico!”. Ela, que havia acordado de madrugada para deixar toda a casa pronta para os sete filhos, e ainda trabalhava o dia todo no mercadinho da família, poderia ter-me respondido: “Acho difícil, pois somos imigrantes, lutamos para sobreviver, não há escola aqui, é melhor brincar com seu caminhãozinho, não me aborreça que estou muito ocupada, etc.”, mas olhou no fundo dos meus olhos e falou: “Então, você tem que estudar muito!”. Assim ela me abriu o horizonte que eu poderia conquistar, bastaria estudar bastante. Os estudos dependiam da minha dedicação… De fato estudei muito e culminei me formando na Faculdade de Medicina da USP.

Estejam meus pais onde estiverem, eu imagino que eles saibam no que o seu terceiro filho se tornou e me emociono de vê-los sorrindo para mim e minha família, satisfeitos e orgulhosos, por terem me dado um presente tão lindo e sustentável…

Sem ser obrigatoriamente materiais, há presentes que são agradáveis e úteis pela vida toda… e assim, a minha mãe abriu o meu horizonte: eu poderia conquistar qualquer coisa, bastaria estudar bastante, e os estudos dependiam da minha dedicação…

Natal_2014

 

Fonte: coluna do mês de Dezembro, da Revista Viva SA, por Içami Tiba

2013_03_coleções_site_Educação_midias


%d blogueiros gostam disto: