Onipotência infantil para não dormir

agosto 22, 2012

É cada vez maior o número de pais que reclamam que os filhinhos se recusam a dormir. Analisando essas reclamações, notei que o problema maior está nos pais, pois, se estes estabelecem o “ritual do sono”, os filhos dormem muito bem. Repetir não custa: o normal para uma criança é dormir sozinha, e o que não é normal é resistir a dormir.

São muitas as causas que levam hoje uma criança a não querer dormir sozinha. Mesmo estando com sono, ela acha que tem “o direito” de fazer o que deseja, mesmo contrariando a sua fisiologia. Os pais geralmente alimentam estes “direitos” quando não a contrariam nos seus desejos inadequados nem a educam para as suas próprias necessidades fisiológicas. Portanto, se não quiser dormir sozinha quando está com sono, a criança demonstra uma falta de educação pela falta de limites à onipotência infantile – sensação da criança de poder controlar os pais, não importa que armas vai usar.

O recurso infantil mais comum é fazer os pais sentirem-se mal por não atenderem os pedidos dela. É muito difícil para os pais deixar de ceder aos pedidos da criança, principalmente pelo temor de não atender suas reais necessidades. Pode ser fingimento dela, mas… e se for verdade? Surgem, assim, as necessidades mais estapafúrdias e contraditórias: sede, fome, não dormir, chupeta, música, colo, ouvir histórias, calor, frio, fazer xixi, estar com medo, estar assustado, fazer birra, gritar, chorar, choramingar, ter dor de barriga – e a lista continua conforme a criatividade dela.

Quem dá forças a essa manipulação são os pais que tiram a criança do berço para atendê-la. Ou seja, alimenta a onipotência infantil. Nessa fase, ela aprende rapidinho as palavras que escravizam seus pais.

Fonte: livro “Quem Ama, Educa! Formando cidadãos éticos”, de Içami Tiba – Integrare Editora

Para mais informações sobre o tema, consulte o livro ou entre contato conosco.

Saiba mais sobre o livro!

Anúncios

Sistemas Cortisol e Melatonina

abril 27, 2012

No aprendizado, há muitas áreas na mente que estão travadas nos pontos da ignorância. De fato, conseguimos enxergar e ouvir mais o que para nós tem significado. Para o que não conhecemos, somos mentalmente cegos e surdos. Ou seja, solta uma trava cá, destrava o sistema lá.

Durante o dia, o organismo humano funciona na base do cortisol, hormônio do estresse, para sobreviver. Sua mente utiliza determinados sistemas conscientes e automatizados para solucionar problemas. Nesse período, ele envelhece. À noite, durante o sono, reina a melatonina, o hormônio do rejuvenescimento, antioxidante e recuperador. A mente é escrava do desejo e, se uma pessoa deseja resolver um problema, usará durante o dia o sistema cortisol e acionará os seus sistemas disponíveis, geralmente conscientes.

Durante a noite, a mente continua procurando uma solução, agora regida pela melatonina, escapa do controle consciente de vigília, passeia por outros sistemas e encontra respostas desejadas, quando há competência para isso. Quando a mente encontra uma sugestão de resposta, a pessoa é despertada e se lembra do sonho.

Se nada anotar, ou deixar algo para servir como âncora – lembrança da resposta e dormir outra vez, no dia seguinte lembrará que sonhou, mas não se lembrará com o quê.

A melatonina também é responsável pela desintoxicação, eliminando o que a mente recebeu, mas não lhe deu significado. Ela não deixa informações a Marcar Passo e ocupar um sistema que deve estar ocupado com outros dados mais significativos. Memória não utilizada, seja lá para o que for, torna-se inútil e será deletada.

A sabedoria envolve saber despedir-se e descartar o que não serve mais à mente. Já imaginou você ter de procurar uma agulha no meio do palheiro que ocupa todo o celeiro? É como se sua memória estivesse toda ocupada com palhas: sua performance usada com um trabalho inútil se tornaria de Alto Desgaste.

 

 

 

Fonte: trecho do livro “Pais e Educadores de Alta Performance”, de Içami Tiba – Integrare Editora

Para mais informações sobre o tema, consulte o livro ou entre contato conosco.

Clique aqui para baixar o 1º capítulo do livro!


Problemas de sono?

janeiro 18, 2012

Por que dormimos? O sono é um fenômeno misterioso, é como morrer e renascer diariamente. O sono é um evento biológico fundamental para os seres vivos. Viver sem dormir é incompatível com a vida. O organismo precisa de descanso, de reparo, e é durante a noite que isso ocorre.

O ser humano é um animal diurno, todas as nossas funções estão preparadas para atuar durante o dia e se apagam à noite. Vivemos em um ciclo dependente da luz do sol, do claro do dia e do escuro da noite, é o ciclo sono–vigília.

Na realidade, o sono não é um simples apagar de luzes; o cérebro continua funcionando, mas de um outro jeito, voltado para “resfriar” a engrenagem. Existem várias fases do sono, a mais famosa é o sono REM, do inglês Rapid Eye Movement. O sono tem ciclos de cinco fases: fases 1, 2, 3, 4 e REM. Acontece como uma escadinha, veja a figura a seguir, chamada “arquitetura do sono”.

Uma noite maldormida é uma grande desencadeadora de dor de cabeça, não só de enxaqueca mas de qualquer outro tipo de dor. Dormir mal causa dor, mas ter dor também faz com que durmamos mal. É uma via de mão dupla, um interfere no outro e os dois estão correlacionados, andam juntos. Se a dor é muito forte e frequente, pior é o sono e, quanto pior se dorme, mais grave é a dor de cabeça.

Mas não é só isso. Tanto a dor quanto a dificuldade de dormir podem ser oriundas de uma terceira causa, um outro fator que esteja desencadeando tanto a cefaléia quanto os problemas de sono. Por exemplo, tomar muito café ocasiona insônia (especialmente se for ingerido depois das 18h) e dor de cabeça. Da mesma forma, uma preocupação intensa tira o sono e dá dor de cabeça.

Fonte: trecho do livro “Dor de cabeça – o que ela quer com você?”, de Dr. Mario Peres – Integrare Editora

Para mais informações sobre o tema, consulte o livro ou entre contato conosco.


Quando meu bebê vai dormir a noite inteira?

maio 18, 2011

O sono ou a falta de sono é uma das maiores preocupações dos pais. Depois da pergunta: “Meu bebê é saudável?”, a segunda questão mais comum é: “Quando meu bebê vai dormir a noite inteira ininterruptamente?”. A resposta é… Nunca.

O sono não é um processo contínuo. Tente lembrar como você dormiu a noite passada. No fim de todos os seus ciclos noturnos, você acordou (pelo menos cinco ou seis vezes por noite), aconchegou-se, virou do outro lado e pegou no sono novamente. A mesma coisa acontece com seu bebê, só que, para ele, aconchegar-se significa sugar. Isso começa logo após o nascimento. Se for um bebê recém-nascido, todas as vezes que ele acorda do sono leve, você dá de mamar ou o embala, o que o faz dormir novamente. Depois das primeiras dez vezes, ele já espera que você o reconforte todas as vezes que ele acordar no final do ciclo do sono dele. Quando as pessoas deixam a etapa em que são reconfortadas pela mãe para dormir de novo e passam para a etapa em que são capazes de se aconchegarem sozinhas? Essa é a pergunta que vale 10 mil reais. Porém, quando isso acontecer, seu filho vai “dormir a noite inteira”.

Fonte: Trecho do livro “The New Basics – O que você precisa saber para cuidar bem de seu filho, de A a Z”, de  Michel Cohen – Integrare Editora


%d blogueiros gostam disto: