O que fazer com a energia da raiva?

maio 4, 2012

Os conflitos estimulam sentimentos intensos, principalmente a raiva. O acúmulo de mágoas, decepções e ressentimentos formam uma couraça de raiva que, com frequencia, torna a pessoa resistente à proposta de mediação (“Estou morrendo de raiva, não quero conversar nem ver a cara dele, quero ir direto para a Justiça!”). É importante descobrir os sentimentos que estão por baixo da raiva (tristeza, humilhação, medo, entre outros) para que a raiva se transforme e permita que as pessoas parem de

empacar nas respectivas posições. Refletir sobre as raízes da raiva também pode ser útil para diminuir a intransigência e ampliar recursos para lidar com os conflitos de modo mais eficiente.

Cansada de reclamar da falta de cooperação dos filhos adultos, que sempre deixavam as garrafas de água vazias, Helena mudou de tática: reservou para si mesma uma garrafa térmica com água gelada e parou de encher as da geladeira; sentiu-se aliviada e, assim, sem se enraivecer nem continuar brigando com os filhos, transmitiu a mensagem de que deixaria de realizar essa tarefa sozinha. Foi o primeiro passo para pensar em outras situações em que ela estava fazendo mais do que devia, dando margem à acomodação dos filhos.

O exame da nossa raiva, portanto, oferece oportunidades de desenvolver novos recursos para lidar com as situações que nos incomodam e mudar padrões de comportamento.

 

 

Fonte: trecho do livro “O bom conflito – Juntos buscaremos a solução”, de Maria Tereza Maldonado – Integrare Editora

Para mais informações sobre o tema, consulte o livro ou entre contato conosco.


Anúncios

Coincidências existem?

setembro 9, 2011

Oito e meia da manhã, o café do aeroporto estava cheio. Ele encontrou um lugar, abriu o cardápio.

– Tudo bem se eu me sentar à sua mesa?

Jamie Forbes ergueu o olhar para ela, uma dessas pessoas de que você gosta no minuto em que bate o olho.

– Sente aí – disse ele.

Ela colocou uma mochila ao seu lado.

– É aqui que se aprende a pilotar?

– Não – respondeu ele, apontando para o céu pela janela.

– Você aprende a pilotar lá em cima.

Ela olhou e assentiu.

– Sempre disse que um dia iria aprender. Aprender a pilotar. Prometi a mim mesma, mas não transformei a promessa em realidade.

– Nunca é tarde – disse ele.

– Ah… – fez ela, com um sorriso melancólico. – Acho que para mim é. – Ela estendeu a mão. – Dee Hallock.

– Jamie Forbes.

Os dois olharam para o cardápio. Algo leve, só um lanchinho, pensou ele. Suco de laranja e torrada seriam uma opção saudável.

– Você está em viagem – comentou ele.

– Sim. Pegando carona. – Ela colocou o cardápio de lado e, quando a garçonete chegou, pediu: – Chá e torrada, por favor. De hortelã e com pão integral.

– Sim, senhora – disse a garçonete, memorizando o pedido fácil, e depois se voltou para ele.

– Chocolate quente e torrada de centeio. Carona?

– Você vai pilotar hoje – comentou a garçonete. – Não devia fazer um pedido tão leve, nesta manhã.

– Leve é bom – disse ele.

Ela sorriu e saiu para servir outra mesa, com os pedidos dos dois na cabeça.

– Você está pegando carona em carros ou aviões? – quis saber ele.

– Não tinha pensado em aviões – respondeu Dee. – É possível fazer isso?

– Pedir não dói. Mas é melhor tomar cuidado.

– Por quê?

– Aqui é região de montanha. Alguns aviões não voam tão bem quanto outros, bem alto, com passageiros.

Quarenta e poucos anos, pensou ele. Executiva. Por que está pegando carona?

– Respondendo à sua pergunta – disse ela –, estou testando uma hipótese.

Cabelos castanho-escuros, olhos castanhos, aquela beleza magnética que a curiosidade e a inteligência trazem ao rosto de uma mulher.

– Minha pergunta?

– Por que ela está pegando carona?

Ele piscou.

– Tem razão. Eu estava pensando em algo desse tipo.

Qual é sua hipótese?

– Não existem coincidências.

Interessante, pensou ele.

– Que tipo de coincidências não existem?

– Sou uma exploradora das oportunidades iguais – respondeu ela. – Não importa de que tipo. Você e eu, por exemplo; não me surpreenderia se nós dois tivéssemos um amigo importante em comum. Não me surpreenderia se houvesse um motivo pelo qual estamos nos encontrando. Nem um pouco.

Ela o olhou como se soubesse que havia mesmo.

– É claro que não temos como saber – disse ele.

Ela sorriu:

– A não ser por coincidência.

– Que é algo que não existe.

– É o que estou descobrindo.

Busca bacana, pensou ele.

– E está descobrindo mais coincidências por quilômetro nas estradas do que no seu escritório?

Ela assentiu.

– Não acha isso perigoso, pegar carona? Uma mulher atraente pedindo para ser apanhada por qualquer um na estrada?

Risada de isso-é-impossível.

– Eu não atraio o perigo.

Aposto que não, pensou ele. Tem tanta confiança assim em você mesma ou é apenas ingênua?

– A sua hipótese está se confirmando?

– Ainda não estou pronta para chamá-la de lei, mas acho que, pelo menos, logo mais será minha teoria.

Ela havia sorrido ao comentar sobre atrair o perigo; ele ainda não entendera aquilo.

– Eu sou uma coincidência? – perguntou ele.

– Jamie é uma coincidência? – disse ela, como se estivesse falando com alguém que ele não pudesse ver. – Claro que não. Vou lhe contar depois.

– Acho que você é uma coincidência – disse ele. – E não tem nada de errado nisso. Eu lhe desejo sorte em sua viagem.

– Não houve nenhuma palavra nesta mesa que significasse algo para você? – quis saber ela. – Nada que o tenha transformado até agora?

– “Até agora” é o termo operativo – disse ele. – Diga algo capaz de me chocar, moça, algo desconhecido para mim, que possa mudar minha vida, e concordarei que você não é uma coincidência.

Ela pensou a respeito, com um sorrisinho.

–      Vou lhe dizer uma coisa – falou. – Sou hipnotizadora.

Fonte: Trecho do livro “Hipnotizando Maria”, de Richard Bach

 Para mais informações sobre o tema, consulte o livro ou entre contato conosco.

 Clique aqui para baixar o 1º capítulo do livro!


O que fazemos com o nosso tempo? Por que não temos tempo para nada?

maio 11, 2011

“Papai parece o coelho da história de Alice no país das Maravilhas: depressa, depressa, sempre com tanta pressa!”

E sai correndo cedinho para o trabalho, e come correndo, e mastiga mal, e toma banho voando, e nem dá tempo de brincar, conversar, abraçar… mas o jornal ele lê devagarinho.

O que fazemos com o tempo, que fica tão cheio de compromissos, obrigações e horários apertados que não podemos nem respirar?

Essa ansiedade sufocante não dá sossego. Quem vive assim parece um peixe fora da água, que se sente mal, quase morrendo, fora de sem ambiente: em cada lugar que entra tem logo de sair correndo, não consegue ficar! Precisa se maltratar assim e a quem está em volta à espera de um tempo de atenção, com aquela sensação doída de que nunca sai do último lugar da fila?

Há muitas maneiras de aliviar essa ansiedade louca e alcançar um pouco mais de tranquilidade anterior.

E quem não consegue ficar quieto porque tem medo de parar para pensar? E o medo de chegar à conclusão de que está se enganando, sem aproveitar o tempo para viver o que realmente importa? Parece incrível, mas uma pessoa assim se protege da reflexão que a incomoda criando uma grande confusão.

“Aí eu teria de mudar tudo”. Pavor! Mas nem sempre. Pequenas mudanças podem gerar grandes diferenças. Que tal começar a experimentar?

Sem pressa!

Fonte: trecho do livro “Histórias da vida inteira – Como transformar obstáculos em caminhos”, de Maria Tereza Maldonado – Integrare Editora 


Harmonia em todas as áreas da vida. Mas… quais são elas?

maio 10, 2011

Ainda que você não seja um dependente do sofrimento, vale a pena aproveitar esta oportunidade de autoconhecimento. Para isso, olhe atentamente o esquema a seguir. Ele representa os vários compartimentos que constituem a vida de um ser humano.

Procure aplicar este esquema à sua vida. Os diversos compartimentos dela estão proporcionais? Se a resposta for sim, parabéns! Do contrário, não deixe que isso venha a ser um problema. Afinal, dessas realizações vêm o nosso equilíbrio e o nosso bem-estar biopsicossocial. Pergunte-se, apenas: o que posso fazer para mudar? E mãos à obra!

Fonte: trecho do livro “O Sofrimento como Vício – Entenda e supere essa dinâmica”, de Dirce Fátima Vieira e Maria Luiza Pires


abril 26, 2011

Aconteceu a uma hora de North Platte, vinte minutos a norte de Cheyenne.

– Acho que ele morreu!

Era a voz de uma mulher pelo rádio.

– Alguém aí está me ouvindo? Acho que meu marido morreu!

A transmissão dela estava a 122,8 megaciclos, a frequência Unicom dos aeroportos pequenos; sua voz era alta e clara: não devia estar muito longe dali.

Ninguém respondeu.

– Você consegue fazer isso, senhor Forbes. – Soava calma e paciente, aquela voz inesquecível, com um toque sulino.

– Senhor Dexter? – disse ele em voz alta, atônito.

Era seu instrutor de voo de quarenta anos atrás, uma voz que ele jamais iria esquecer. Ele lançou um olhar  rápido para o espelho, checando o assento de trás.

Estava vazio, é claro.

Não havia outro som a não ser o do motor barulhento e suave que seguia em frente.

– Alguém me ajude, ele morreu!

Ele apertou o botão do microfone.

– Pode ser, senhora – disse Jamie Forbes –, mas também pode ser que não. A senhora consegue pilotar  esse avião sem ele.

Os maiores mistérios são aqueles cujas

respostas se encontram diante de nossos olhos.

As melhores soluções são aquelas para

 as quais, de repente, nos damos conta de

 que sempre soubemos a resposta.

Criamos nossa própria realidade?

 Ou apenas nossas próprias aparências?

Do autor dos best-sellers

Fernão Capelo Gaivota Ilusões.

Uma história de descobertas, compreensão

 e expansão de horizontes.

Clique aqui e leia o primeiro capítulo do livro.

Fonte: trecho do livro “Hipnotizando Maria”, de Richard Bach – Integrare Editora


A necessidade da CONSISTÊNCIA

abril 13, 2011

Ser consciente é atuar de forma que o outro se sinta bem, deixando que se expresse livremente. Ser consciente é formular perguntas que demonstrem genuíno interesse, aceitando o limite das respostas. É alegrar‑se com os êxitos do outro. É oferecer apoio para que corrija suas falhas. Mas aí há um perigo. Não podemos confundir essa postura generosa com a inocente complacência, com a transigência em questões essenciais. Nessas situações, podemos negar nossa própria consciência. E isso não vai ajudar o outro. Pelo contrário, essa postura vai estimulá‑lo a se manter no mesmo lugar.

Fonte: Trecho retirado do livro “Confiança – O diferencial do líder” de Leila Navarro e José María Gasalla


%d blogueiros gostam disto: