Transformando o amor em realidade…

junho 29, 2012

As coisas que buscamos já estão em nós. Mas talvez você esteja pensando: “Espere um pouco. Façamos aqui um confronto com a realidade.

Se o amor, a paz e a felicidade já estão sempre dentro de mim, por que não os sinto o tempo todo?”. Talvez pelo fato de ter aprendido a “acreditar” que, para sentir essas coisas, precisa ir buscar algo, ser algo ou encontrar alguém. Mas, na verdade, a única maneira de sentir essas coisas é “dando” alguma coisa, pois, quando você dá algo com amor, quem é que sente primeiro esse amor? Você mesmo! Mas não me interprete mal: não estou sugerindo que vá para o escritório amanhã e saia dizendo “Eu te amo” para todos ao redor. Bem, pode fazer isso, se quiser, mas eu não recomendaria (se fi zer, conte-me como foi!).

Porém, que aparência tem a energia do amor, quando posta em ação? Que tipos de comportamento são motivados, moldados e estimulados pelo amor? Reserve um momento para compor uma lista, numa folha à parte, a qual, provavelmente, será parecida com a seguinte.

 

 

As suas ações nascem daquilo que é verdadeiro dentro de você, a partir da energia do seu coração. Você está usando a energia do seu coração, que é o amor, e, à medida que a usa, que a partilha, não importa de que maneira, você é a primeira pessoa a senti-la e a sentir-se fortalecido com ela.

 

Fonte: livro “Os sete mitos sobre o Amor”, de Mike George – Integrare Editora

Para mais informações sobre o tema, consulte o livro ou entre contato conosco.

Clique aqui para baixar o 1º capítulo do livro!

 


Por uma relação mais saudável

maio 7, 2012

Muitas relações entre marido e mulher, primos e amigos íntimos acabam chegando a um ponto de intimidade que surge o risco da falta de respeito. É fácil perceber isso. Vamos observar um casal hipotético que está numa locadora escolhendo um DVD para assistir. Resumidamente, descrevo três posturas distintas:

Claro que essa é uma paródia, porém não deixa de ter um fundo de verdade. Apesar de não ocorrer com todos os casais, é mais comum do que se pode pensar.

Diante dessa situação, a pergunta que me faço é:

Será que nos damos conta de quando isso começa a acontecer nas relações ou só percebemos quando os limites de respeito já estão em muito ultrapassados? Não sou defensora da ideia de que devemos ter cerimônia nas relações mais próximas. Ao contrário, acho a intimidade algo muito gostoso, mas, para que seja saudável e construtiva, deve incluir “cuidado”.

 

Fonte: trecho do livro “Mulher sem Script”, de Natércia Tiba – Integrare Editora

Para mais informações sobre o tema, consulte o livro ou entre contato conosco.


Quais os cuidados que você toma com sua pele?

janeiro 16, 2012

Você usa protetor solar? Você toma cuidado com a sua pele? Nessa época em que todos querem se bronzear em um dia só de sol… Veja as dicas para passar bem o verão: Dra. Carla Góes mostra diferentes tipos de tratamentos para a pele, além de novidades em tratamentos estéticos.

 

 

Fonte: Participação de Dra. Carla Góes Souza Pérez, autora do livro “Beleza Sustentável”, no programa Claquete, de Otávio Mesquita


CUIDADO! Você faz o uso contínuo de Desculpas?

junho 10, 2011

Evitar dar desculpas.

Esqueci!

Foi o outro.

Não sabia que era importante.

Não tive tempo.

Você não me falou isso.

Essas frases e tantas outras são os temperos  com os quais tentamos esconder nossa ineficiência, desorganização ou falta de empenho  Infelizmente, embora façam parte do dia a dia, elas  servem para nos privar da força que poderíamos ter.

Em essência, a desculpa representa o adiamento do esforço, enquanto as fraquezas internas  têm chance de se alastrar.

Assim como criticar alguém é apontar o dedo  para a sua própria intolerância ou incompetência,  dar desculpas é mentir a si mesmo. A própria palavra desculpa sugere o esforço que exige remover um sentimento de culpa qualquer e, na verdade,  pode acabar aumentando.

O uso contínuo de desculpas leva o indivíduo a  deixar de acreditar na sua capacidade de mudar.

 

Fonte: trecho do livro “Reflexões para uma vida Plena”, de Ken O’Donnell – Integrare Editora


%d blogueiros gostam disto: