Amizade abre portas. (por Içami Tiba)

novembro 16, 2015

Num dos seus poemas, Manuel Bandeira (1886-1968), membro da Academia Brasileira de Letras, escreveu:

 

“Vou-me embora pra Pasárgada

Lá sou amigo do rei

Lá tenho a mulher que eu quero

Na cama que escolherei … ”

Nesse trecho do poema, Manuel Bandeira demonstra a importância da amizade. Em Pasárgada, paraíso imaginado, o mais importante é ser amigo do rei.

Somos amigos das pessoas que sentem amizade por nós. Lembro que somos as pessoas que amamos e por quem somos amados preciso ser psicologicamente saudável para se entregar a uma amizade. Quem é desconfiado, controlador, inseguro, egoísta, ciumento, infantil, ensimesmado, psicótico, neurótico raramente consegue se entregar. E, para complicar, a amizadetem que ser mútua. Ou seja, a outra pessoa também tem que ser saudável.

Acima das qualidades individuais . preciso que haja também afinidade, respeito, admiração e condição profissional e social próximas para que o que seja fácil para um não seja difícil para o outro.

Amizade é tão importante que, quem não tem amigos, inventa um. O amigo imaginário não é raro em crianças e adolescentes muito solitários.

Atendi uma garota de 16 anos, filha única de mãe única, que se trancava no armário e ficava horas brincando e conversando lá dentro. O que ela tinha era uma amiga imaginaria. Trancava-se para poder conversar livremente com a amiga sem que sua mãe a achasse louca. O perigo era ela acreditar na existência real da amiga imaginaria…

As pessoas que têm amigos melhoram muito suas performances pessoais, sociais e profissionais praticamente em todas as áreas.

insta_16_11_Familia de Alta Performance_Içami Tiba_Integrare_Edit

 

 

Fonte: livro “Família de Alta Performance”, de Içami Tiba – Integrare Editora

Saiba mais sobre o livro!

Kit site QAE

Anúncios

Somos todos educadores (por Içami Tiba)

novembro 9, 2015

Todo ser humano é um educador em potencial, pois já nasce um aprendiz. Se ninguém lhe ensina nada, aprende com as próprias experiências. A educação é fundamental para a sobrevivência da civilização e da cultura. Não podemos mais imaginar que alguém viva absolutamente isolado da influência dos outros. Onde houve relacionamentos, estará presente a educação. Um indivíduo pode até se isolar para meditar no pico do monte Everest, mas não há como ter vivido até essa altura da vida sem, antes, ter conhecido outras pessoas. Basta lembrar que um dia ele nasceu de alguém.

Ninguém tem tempo nem condições de descobrir tudo sozinho neste mundo. O homem não para de ser inundado com novas tecnologias, ideias e costumes. Aprender com quem sabe tornou‑se imprescindível. Em qualquer ocasião, sempre há alguém ensinando e outro aprendendo, direta ou indiretamente.

O saber atribui um poder que, se usado somente em benefício próprio, torna o indivíduo um tirano que impõe a ignorância ao outro para subjugá‑lo às suas necessidades. Esse modelo já está ultrapassado. Qualquer ação ou palavra de um pode influir no comportamento de outras pessoas, querendo ou não. Se um ajuda o outro a tomar posição, a não exigir somente seus direitos, a arcar com suas responsabilidades, isso também é educação.

Educador não é somente aquele que se propõe a ensinar. Muitos mestres não pretenderam ensinar, simplesmente exerceram o que sabiam. Uma pessoa, quando se torna modelo para outras, influi também no jeito de vestir e de se comportar, e então ela as está educando.

insta_09_11_Pais e educadores de alta performance_Içami Tiba_Integrare_Edit

 

Fonte: livro “Pais e Educadores de Alta Performance”, de Içami Tiba – Integrare Editora

Saiba mais sobre o livro!

Kit site QAE


Família feliz na praia. (por Içami Tiba)

outubro 19, 2015

O sol brilha maravilhosamente nesse domingo em que o cobra e a polvo levam seus dois filhinhos à praia. Logo ao chegar, ela tem de lançar seus tentáculos para segurar as crianças afoitas, que quase já entravam na água. Ela sabe que, em primeiro lugar, é preciso protegê-los do sol. Assim, lambuza de protetor solar os inquietos corpinhos, coroando-os com um bonezinho, tal qual uma cereja sobre o sorvete… A polvo aproveita e passa protetor também no cobra. E só então, finalmente passa nela mesma, nas partes do corpo que consegue alcançar. Depois, pede a ele – que está arrumando o território onde a família vai ficar – que passe a loção em suas costas.

Os filhinhos correm para o mar. A polvo os segue com o olhar, pois sabe que criança e água não combinam: uma engole a outra, e vice‑versa, sempre. Se ela pudesse, estenderia todos os seus tentáculos para evitar os perigos que ameaçam sorrateira e ostensivamente seus amados filhinhos. Bloquearia as ondas maiores, diminuiria a intensidade do sol, afastaria as pessoas indesejáveis, aqueceria a água, impediria que um filho jogasse água no outro, provocaria a união entre os dois, faria que se dessem as mãos para proteger um ao outro – e, assim, aproveitassem o memorável passeio, registrando para sempre que tiveram uma infância feliz. Ela nunca foi à praia quando criança, o que lhe aperta o coração até hoje.

A polvo não descuida dos filhotes um segundo sequer, nem para piscar. A intensidade do sol aumenta e a brisa resseca seus olhos, que começam a reclamar, a arder e lacrimejar. Mas ela está lá, a vontade mais firme do que o corpo – que já não aguenta mais. Ela precisa fechar os olhos um segundinho… Então, lembra-se do marido. Ele está de pé, de braços cruzados, varrendo a praia com o olhar e sentindo a brisa no corpo. É uma figura imponente: o senhor da praia. Ele ouve a esposa chamar: Benhê, você fica de olho nas crianças para que eu possa fechar os olhos um pouquinho? Ela fala em tom de súplica, para comover o marido. E ele responde: Pode deixar, meu bem! Eu olho as crianças! E, com seu olhar de cobra – entenda‑se em tubo –, fixa os olhos no alvo: as crianças.

Mesmo tombada, a polvo não abre mão do controle. Vai perguntando ao marido: Onde estão as crianças? O que elas estão fazendo? Conforme o modo como o cobra responde – tom de voz, rapidez, precisão das palavras, vacilações ou humor –, ela avalia a situação. Ao mínimo sinal de anormalidade, ela abriria imediatamente os olhos para reassumir o controle de tudo…

O cobra responde de acordo com o esperado, nem percebe que a polvo desconfia de sua capacidade de cuidar das crianças. Ele continua a olhar os filhos em tubo até que, entre seus olhos e as crianças, passa algo balouçante, um tanto quanto rebolante… Aí o olhar em tubo muda de alvo. Agora, acompanha instintivamente os movimentos do novo alvo até que ele quase desapareça de vista. Mas, de repente, ele se lembra: Xi, e as crianças? O cobra se volta rapidamente para o ponto onde estavam as crianças. Mas onde elas estão que ele não as encontra?

Sumiram… As danadas sumiram!

Pânico geral. A polvo levanta‑se como se uma mola a empurrasse e corre em direção ao mar, desesperada. O mar engoliu os filhinhos dela, com certeza! Será que alguém os raptou? Seriaum sequestro? Ela grita com o marido: Faça alguma coisa!

Mas eis que as crianças estão sentadinhas na areia fazendo buracos. A polvo as abraça como se elas tivessem se afogado e Deus as tivesse devolvido, tamanha a sua devoção… Passado o susto, ela não sossega: um dos seus tentáculos vai enforcar aquele pai desnaturado. Onde já se viu perder os filhos? Nem para olhar os próprios filhos ele serve, aquele folgado…

As crianças continuam felizes, brincando e vivendo a pura inocência de não saber dos grandes perigos que passaram pela mente da mãe, de cujos olhos brotam lágrimas de ternura, agora indiferentes ao sol abrasador…

A polvo jura que nunca mais vai confiar SEUS filhos àquele cobra desalmado.

O cobra se queixa da mulher: Para que tanto escândalo? Encontrou as crianças? Então está bom. Para ele, não há motivo para se preocupar com o que não aconteceu. Tudo volta a ser como antes daquele sufoco, e ele é novamente o Senhor da praia.

Tudo não passou de uma chuva emocional de verão…

 

Fonte: livro “Homem Cobra Mulher Polvo”, de Içami Tiba – Integrare Editora

Saiba mais sobre o livro!

Kit site QAE


Pais que permitem algo que negaram antes. (por Içami Tiba)

outubro 13, 2015

Quando os pais negam algo que o filho quer, e este faz cara de coitadinho, de menor abandonado, os pais ficam com pena e chegam até a exclamar, ironicamente ou não, “que dó!”. O filho já se sente meio vitorioso, pois ele conseguiu fazer com que seus pais percebessem o estado, verdadeiro ou fingido, como ele ficou. Agora é só uma questão de tempo, pensa ele.

Os pais acabam desconsiderando as negativas anteriores e arrematam tudo dizendo: “Está bem, desta vez pode!”. Então o filho sente-se vitorioso duas vezes: venceu o obstáculo que os pais colocaram e ganhou o que estava querendo.

Por que os pais consentiram em algo que haviam negado antes? Disseram um sim que aniquilou todos os nãos ditos até então? Nada mudou, o filho não fez nada de diferente a nã o ser permanecer na insistência, isto é, o filho não agregou nenhum valor à situação que justificasse a mudança. Passar por coitadinho sem sê-lo, além de falsidade ideológica, tira
credibilidade, sem a qual não existe performance que resista.

image1

Fonte: livro “Educar para formar vencedores”, de Içami Tiba – Integrare Editora
Saiba mais sobre o livro!

Kit site QAE


Educação deve vir de casa? (por Içami Tiba)

setembro 21, 2015

A maioria dos professores diz em uníssono que “Educa­ção deve vir de casa”. E, na vida social, se diz que “Educação vem de berço”. Mas não é verdade, pois nas escolas é que se percebe o quanto crianças e adolescentes não têm educação, apesar de terem “casa”, de terem “berço”.

Nos meus livros Quem Ama, Educa!; Adolescentes: Quem Ama, Educa! e Disciplina, Limite na Medida Certa – Novos Paradigmas, me estendo bastante sobre a educação familiar.

Os atrasos de crianças, por exemplo, dependem mais dos seus respon­sáveis do que delas mesmas. Bem diferente são os adoles­centes que, mesmo que os pais os deixem na porta da escola a tempo, se perdem ou se enroscam com colegas pelo cami­nho às salas de aula.

Há pais terceirizando a educação dos seus filhos para a escola, declarada ou subterraneamente, principalmente nas questões nas quais eles perderam o controle. Disciplina e responsabilidade, valores familiares, são os que os pais mais cobram da escola.

E não adianta dar instrumentos aos filhos se eles não estiverem capacitados para usá-los. É quanto a esse preparo que a escola entra com a disciplina e responsabilidade: para enfrentar comportamentos inadequados por ela percebidos. A escola não tem essa obrigação, bastaria que avisasse os pais sobre as inadequações, para que estes tomassem as medidas necessárias, e pronto, sua parte estaria cumprida. Mas a escola, mesmo que não esteja incumbida de transmitir valores que deveriam vir do berço (preparados pelos próprios pais), pode, no entanto, ajudar dentro da sua capacitação.

A educação pode não vir de casa, mas a escola não pode ser conivente com a falta dela. Em muitos casos, a indisciplina também está nos pais. A escola tem que voltar suas atenções para esses pais, com orientações, exigências, palestras, leituras obrigatórias e muitos outros recursos (como atendimentos por profissionais especializados) para os ajudar a serem também educadores.

insta_21_09_Ensinar aprendendo_Içami Tiba_Integrare_Edit

 

Fonte: livro “Ensinar aprendendo: novos paradigmas da educação”, de Içami Tiba – Integrare Editora

Saiba mais sobre o livro!

Kit site QAE


Liberdade e responsabilidade na adolescência. (por Içami Tiba)

setembro 7, 2015

 

O grande conflito interno do adolescente é a luta entre a independência que quer ter e a dependência que tem dos pais para sobreviver.

Muitos adolescentes querem sair, ou fugir, de casa, não porque tenham lugar para ir, mas porque em casa não querem ficar. O que mais os adolescentes detestam nos seus pais é quando são tratados como crianças.

É um preço caro que os pais pagam quando não educam seus filhos aplicando o princípio de que é com a responsabilidade que se conquista a liberdade. Liberdade não se ganha de presente. Liberdade se conquista cada vez que se assume e atende à responsabilidade.

Quem simplesmente perdoa as falhas não educa. Os pais são os únicos que os adolescentes ainda aceitam como autoridade para cobrar pelos seus erros, fazê-los arcar com as consequências de suas falhas, por causa da dependência legal e financeira que realmente existe.

Está perdida a família onde quem manda é o adolescente. Até parece que o adolescente que faz uma vez já se autoriza a fazer outra vez, não importa se está certo ou errado. Portanto a simples permissão não educa para a liberdade. Ela tem de ser conquistada, com as consequências pela responsabilidade desenvolvida.

insta_07_09_Educação Familiar_Içami Tiba_Integrare_Edit

 

 

Fonte: livro “Educação familiar: presente e futuro”, de Içami Tiba – Integrare Editora

Saiba mais sobre o livro!

Kit site QAE


O ato de pensar o melhor possível. (por Içami Tiba)

agosto 31, 2015

O ato de pensar “o melhor possível” deve estar voltado também para o bem do próximo, da sociedade, do planeta, de uma próxima geração, do vizinho ou de outro cidadão qualquer. Uma das maneiras de avaliar a qualidade do pensamento está na possibilidade de falar abertamente o que foi pensado seja para quem for.

Se um pensamento não pode ser expresso, não se deve pensar nele. Quanto mais o pensador se ocupa com esse pensamento negativo, mais se acostuma com ele – que acaba escapando ou sendo contado para alguém, e certamente trará desagradáveis desgastes e prejuízos. No campo das ideias, sabemos que ninguém domina o livre pensar: os pensamentos brotam sozinhos. Eles têm de passar por um seletor que barra os negativos, inconvenientes, inadequados – enfim, os pensamentos que não sejam de Alta Performance.

Há pessoas que não sabem ouvir. Quando ouvem um ponto positivo sobre alguém, em lugar de parabenizar essa pessoa, têm sempre uma menção negativa a apontar e não raro lembram‑se de alguém que fez algo melhor. Ouça este diálogo:

– Você viu fulano? Está ganhando bem, agora! – comenta um falante.

– Sim, mas ainda deve dinheiro para beltrano! (Ou: Sicrano foi promovido!) – contesta o mau ouvinte.

Ninguém gosta de conviver com gente desse tipo. Pode ser até gente boa, mas seu seletor de pensamentos é malévolo. Em vez de ouvir o positivo da mensagem, procura brechas para dizer que o bom não é tão bom assim. Há o amargo da bílis na sua fala. A intenção não explícita de alguém falar mal de outra pessoa é crer e transmitir que ela é melhor que a outra. Quanto pior ela falar dos outros, desmerecendo o bom, tanto melhor ela se sente, querendo mostrar‑se boa. Por outro lado, pensar “o melhor possível” consiste não só em pensar direito, mas também em reagir positivamente diante das informações recebidas.

insta_31_08_Pais e educadores de alta performance_Içami Tiba_Integrare_Edit

 

 

Fonte: livro “Pais e Educadores de Alta Performance”, de Içami Tiba – Integrare Editora

Saiba mais sobre o livro!


%d blogueiros gostam disto: