Fatores da Sorte! Por Douglas Miller

Os slogans da aprendizagem estão por toda parte. Seu empregador talvez tenha um “centro de recursos da aprendizagem” e fale sobre a “cultura da aprendizagem” que está tentando desenvolver.

Os governos nacionais e os empresários também falam sobre “aprendizagem ao longo da vida”. Temos “experiências de aprendizagem” e “oportunidades de desenvolvimento”. Tudo isso é bom, está claro, mas sua aprendizagem é importante demais para ser enrolada em uma trouxa de jargões corporativos ou governamentais. E é importante demais para ser deixada ao capricho de outros que a proporcionam a você, em configurações formalizadas. Aprender é algo que acontece todos os dias. De fato, na maior parte de cada dia.

O grau em que você aprende é totalmente dependente de sua atitude diante da vida. Um bom começo consiste em ter senso de humildade, de modo que você admita que não sabe tudo (Fator da sorte 5). Uma disposição para avaliar reveses e fracassos de uma maneira que construa a confiança é um segundo passo muito bom (Fator da sorte 4). O modo como você responde aos feedbacks quando o que é dito vem como uma surpresa (Fator da sorte 6) e de quem você busca conhecimento e inspiração (Fator da sorte 7) continuam o processo de aprendizagem.

Mas onde o aprender realmente começa é na maneira pela qual você apresenta suas experiências na sua cabeça. Como foi ditto na introdução deste livro, trata-se do diálogo interior sobre si próprio.

Exemplos de como essas conversas podem se desenrolar estão incluídos neste capítulo, juntamente com uma caminhada exploratória sobre como você pode transformar a ansiedade em relação a uma atividade ou evento vindouro em algo que você anseia, por meio do tipo correto de conversa interior (Fator da sorte 8). O foco deste capítulo recai sobre o modo como você pode ajustar seu pensamento e a subsequente conversa interior. Com frequência são necessários apenas pequenos ajustes, mas que lhe permitem ter um controle muito maior sobre o seu próprio aprendizado. Estou propenso a admitir que este bem poderia ser o capítulo mais importante do livro.

Imagem

Fonte: livro “A sorte como hábito – O que pensam, sabem e fazem as pessoas que têm sorte no dia a dia”, de Douglas Miller – Integrare Editora

 

Saiba mais sobre o livro!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: