O risco de viver! Por Eugenio Mussak

Numa primeira análise, a vida da maioria de nós — mortais comuns que trabalham em escritórios, empresas e consultórios — parece ter pouco que ver com histórias fantásticas como a de Moby Dick. Mas há semelhanças, sim, guardadas as proporções. Independentemente do que você faça, assuma seus riscos. Se você não tiver medo deles, poderá ter problemas; se não tiver coragem, também.

            O dia a dia do cidadão que pega trânsito, faz negócios, participa de reuniões, fala em público, faz entrevista de emprego e enfrenta chefe nervoso é, sim, cheio de pequenos “riscos”. E esses riscos, às vezes, surgem simultaneamente e se acumulam, como em uma poupança de desafios que não desaparecerão enquanto não forem enfrentados.

            Ninguém tem sucessos sem enfrentar desafios: só petisca quem se arrisca. Mas aprenda com os heróis mitológicos. Prometeu roubou o fogo dos deuses e, por isso, foi condenado a ter seu fígado eternamente comido por abutres. Ícaro foi imprudente e voou perto do Sol com suas asas de penas e cera; a cera derreteu com o calor solar e Ícaro caiu. Belorofonte, montado em Pégaso, matou a Quimera e voou até as proximidades do Olimpo para se exibir; Zeus se enraiveceu com a insolência, assustou Pégaso e derrubou o herói, que passou a vagar coxo e em desgraça.

            O que essas passagens da mitologia grega têm em comum? Todas recomendam duas coisas: assuma o risco, mas prepare-se para ele. Não exceda os limites. Vá em frente, mas seja prudente. Camões garante, em Os lusíadas, que os deuses compreensivos ajudaram Vasco da Gama a chegar às Índias e a voltar para casa, com direito a uma paradinha na Ilha dos Prazeres, mas não sem quase morrer algumas vezes. As divindades mitológicas gostam dos ousados, mas não toleram os imprudentes.

            É assim até hoje. No mercado de capitais — uma espécie de divindade moderna —, os investimentos mais rentáveis são os que oferecem mais risco. Bancos “generosos” fecharam as portas de repente, deixando muitos clientes no prejuízo.

            Esses são sinais de que devemos nos abster de arriscar? É claro que não. São avisos de que riscos devem ser tomados à vontade, desde que minimizados pela prudência. Essa é, aliás, uma dobradinha poderosa. Em Mar português, um de seus poemas mais famosos, Fernando Pessoa recomenda o risco calculado quando lembra que Deus deu ao mar perigos e abismos, mas nele é que espelhou o céu. Navegue, sim, mas com precisão.

 

Imagem

 

Fonte: livro “Caminhos da Mudança”, de Eugenio Mussak – Integrare Editora

Saiba mais sobre o livro!

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: